sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

«Uma vergonha este futebol»


(Foto da cronologia do facebook de Veiga Trigo)


Uma autêntica vergonha 'este futebol', e muito por culpa dos dirigentes que passam a vida incitando ao fanatismo puro e duro, de várias formas, tanto com pontas de lança em programas desportivos, como em 'sites fanáticos' afectos aos clubes nas redes socias que tolda o juízo ao mais comum dos adeptos.
Confesso que fico pasmado com alguns amigos meus que vão nessas ondas e estão mais fanáticos do que nunca. E alguns destes meus amigos, se conseguissem ver um jogo de futebol num bom plasma, em HD e, de preferência, concentrados, fazia toda a diferença. E sei que eles tem possibilidades para isso, mas não querem!...
Enfim...tenho pena de já não existir árbitros como antigamente, do género do 'enorme' Veiga Trigo, que não olhava a meios para pôr tudo na ordem, tanto dentro das 4 linhas como no banco de suplentes. A geração de árbitros que temos agora está 'amadurecendo' e, apesar de alguns erros, está 'pagando' as favas de quem joga pouco e não consegue justificar em campo os investimentos que foram feitos. 
Se repararem bem, os erros de arbitragem com influência directa nos resultados não são por aí além..., não são muito diferentes de épocas recentes!...

Deixo aqui um post da página do facebook do amigo António Boronha, simpatizante confesso do Sporting, que diz tudo sobre os últimos dias do futebol português. 

Subscrevo inteiramente este post de ontem!

O debate sobre o futebol português está a um nível paupérrimo.
A argumentação das partes é sempre a mesma, igual á dos miúdos: a minha (penalidade) é maior que a tua (posição de fora-de-jogo). Não passa disto.
Arbitragens, más, no centro das polémicas, escondem o essencial: o futebol praticado por Porto e Sporting é fraco e o do Benfica não tem sido maravilha nenhuma.
Em cima disto, tudo demasiado mau, tivemos hoje conhecimento de uma decisão absolutamente surreal, para não lhe chamar outra coisa pior: O Sporting retirou os dois jogadores emprestados ao Vitória (de Setúbal)... Queriam o quê?...Que os 'sadinos' tivessem entregue o jogo?...
Se queriam prejudicar a sério o adversário de ontem, que não teve qualquer culpa do que se passou, tinham-lhes emprestado até ao final da época,...o André, por exemplo.
Tenham tino, na carola!
Por favor.

3 comentários:

Saci Pererê disse...

O Boronha fala muito mas eu sei bem porque ele gosta de branquear o estado actual do futebol. Ele se fosse honesto falava porque sabe muito bem o que se passa na Federação e na AFL, mas parece que só lhe faziam confusão os irmãos Oliveira. Lá está quando o nosso ego é muito maior e mais importante que os ideais, não há nada a fazer.

Reduzir tudo à comunicação dos dirigentes é uma trapaceira, falsa e ao nivel de um Omo branqueador.

O César diga-me lá quando, em que época uma só equipa lhe viu ser sonegadas 14 grandes penalidades até Janeiro? E até ao final de época, houve alguma? Quando?

No jogo com o Benfica no Dragão, há um golo mal anulado e um penalty por marcar, que comunicou o FC Porto e os seus dirigentes?

Que explicação deram os órgãos responsáveis pela arbitragem aos distintos lances de mão na bola ou bola na mão, para que os adeptos entendessem a diferença de critério?
Nenhuma.

Atenção não explicaram nada, mas afirmaram que estavam satisfeitos com as decisões. Ora eu como adepto do FC Porto não venho aos arames quando o treinador ou o dirigente do meu clube afirmam que fomos prejudicados, eu venho aos arames quando sinto que fomos e estamos a ser sistemáticamente perjudicados e os responsáveis pela arbitragem sem explicar absolutamente critério algum das decisões, as defendem como correctas.

Vir com a lenga-lenga que o futebol do Porto e do Sporting é paupérrimo não só é tapar o sol com a peneira, como é tentar de novo desresponsabilizar os árbitros e os seus dirigentes, e até ex-dirigentes. Então uma equipa não vive de confiança dos jogadores, de mecanismos de jogo, de concentração no objetivo da vitória?
Se uma equipa tem 4 provas cujo objetivo é ganhar e em 3 delas as regras não são iguais para todos e principalmente não são esporádicos os erros nem são , como pode manter, níveis de confiança, concentração, que permitem construir e alicerçar mecanismos de jogo de qualidade? Se por via desses erros perdem-se pontos e aumenta a pressão sobre a equipa e os jogadores, não há um nexo de causalidade, ou ele só existia quando o Benfica não ganhava?



César João disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
César João disse...

Saci,

eu acompanhava o blogue do Boronha diariamente e ele atirava sem olhar a meios, em todas as direcções. Sim, ele tem um ódio de estimação com o Oliveira, mas ele tem as suas razões.
Em relação aos penalties, já ouvi vários números - 17, tu dizes 14, já ouvi mais e menos. É necessário é verificar quantos tiveram influência no resultado, sem da minha parte ter algum problema em admitir que o FC Porto é neste momento o clube mais prejudicado.
A bola na mão e mão na bola sempre foi um problema por culpa de alguns que a levaram para intoxicação da comunicação social e dos 'ditos' programas sem jeito nenhum com elementos afectos aos clubes. No geral, em Inglaterra, por exemplo, sempre interpretaram como vinha nos manuais do século passado (movimento do braço/mão se deliberado/ 'intencional').
Cá e em Espanha inventou-se muito em redor deste aspecto. O próprio Vítor Pereira, em tempos, fez algo que não podia fazer e foi chamado à atenção pela UEFA. Ordenou ele, que, para evitar polémicas, tudo o que fosse bola à mão ou ao abraço fosse assinalado.
Esteve mal e, como dizes, deveria haver algo a esclarecer por parte de todos. Abraço.