quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

«Nuno Saraiva e Rui Santos pegaram-se»

Está a 'ferro e fogo' a 'discussão' nas redes sociais entre o director de comunicação do Sporting, Nuno Saraiva, e o conhecido jornalista Rui Santos.

Interessante ver gente de estatura baixa a chamar pequeno a outro individuo de estatura semelhante.
É DE IR ÁS LÁGRIMAS.

Não simpatizo por aí além com nenhum deles, mas desta vez tenho de admitir que Nuno Saraiva tem muita razão.

Enfim...zangam-se as "comadres e descobrem-se as verdades".


(Foto do post de Rui Santos)

POST DE NUNO SARAIVA:

Deixei passar umas horas, 35 para ser rigoroso – aliás, o rigor é das coisas que o jornalismo me ensinou e que, ao contrário de outros, não esqueço –, antes de reagir a quente à calúnia e à infâmia produzida por essa luminária do comentário desportivo que dá pelo nome de Rui Santos.
O sujeito pequeno, e agora percebo porque me diziam não ser apenas em estatura física, entendeu acusar-me de “plantar” notícias em jornais, designadamente no desportivo O Jogo, com o intuito de “tramar” Jorge Jesus e Octávio Machado e, com isso, “safar” o Presidente do Sporting Clube de Portugal. A figura, que tantas vezes me telefonou a pedir informação para enriquecer o seu Tempo Extra na SIC-Notícias, não se deu sequer ao trabalho de marcar o meu número para fazer o elementar contraditório. Sem hesitar, sabe-se lá ao serviço de que agenda ou em defesa de que interesses, decidiu enlamear-me, insultar-me, pôr em causa a minha honra e dignidade pessoal e profissional, bem como, sem qualquer escrúpulo, ofendeu a honra, a dignidade e o profissionalismo de todo um grupo de Comunicação Social, a Global Media, que me deu o privilégio de ali trabalhar durante 17 anos da minha vida.
Uma coisa é a opinião que posso ter, justa ou injusta e cá estarei para assumir aquilo que penso, sobre a orientação editorial que, em determinadas conjunturas, alguns títulos possam desenvolver. Outra, bem diferente, é inventar factos falsos e mentirosos que mancham a honra, a dignidade, a honestidade e a seriedade profissional e pessoal de camaradas de ofício ao serviço da Global Media – tanto quanto julgo saber, Rui Santos, ainda tem carteira profissional de jornalista o que o devia obrigar, no mínimo, ao cumprimento do código deontológico dos jornalistas.
Rui Santos, paladino da verdade desportiva, é afinal uma fraude. A verdade dos factos, para ele, tem o mesmo valor e importância que uma anedota. E, ao que parece, rege-se pela máxima “não deixes que os factos estraguem uma boa história”. E apresentar provas do que diz, além de um processo torpe e mal intencionado de insinuações recorrendo às ligações que o meu passado profissional estabelecem, é coisa que não faz. A isto chama-se desonestidade, para dizer o mínimo.
De uma vez por todas, e para que fique claro: Bruno de Carvalho é o meu Presidente, Jorge Jesus é o meu treinador, Octávio Machado é o meu director para o futebol, e o Sporting Clube de Portugal, a quem sirvo, é muito maior do que todos nós. Defendo-os a todos até às últimas consequências contra os ataques e as ignomínias de quem nos quer dividir, porque é esse o superior interesse do Clube. Tudo o resto são atoardas que não cumprirão os objectivos de quem as produz.
POST DE RUI SANTOS
Sempre que alguém não concorda com as minhas criticas, observações, propostas, meras análise de factos ou cenários, há sempre uma tendência para se meterem com a minha estatura física. Já levei com indignados de 1,85m e 1,90m, mas, se bem me lembro, como diria o Nemésio, ainda não tinha levado com a indignação de um ser mais baixo do que eu.
Aconteceu agora com o Nuno Saraiva, director de comunicação do Sporting, que me dedicou um post na sua página do Facebook, a propósito de uma passagem do meu comentário no último Tempo Extra, da Sic Notícias. Há sempre uma primeira vez para tudo.
Era mais ou menos inevitável e já explicarei porquê (“amebas com trela”). Fiquei, pois, a saber que há uma nova classe de pigmeus: os pigmeus grandes. Nuno Saraiva considera-se um grande pigmeu grande e isso é sinal de uma ENORME dose de confiança em si próprio, mas é também sinal de que não tem espelhos em casa. Compre um, se Bruno de Carvalho deixar.
Fiquei a saber — estamos sempre a aprender — que esta classe de grandes pigmeus grandes tem propensão para mentir e sofre de lapsos de memória.
Diz o grande pigmeu grande que lhe telefonei ‘tantas vezes’ a pedir-lhe informação. Quero recordar ao grande pigmeu grande as palavras elogiosas com que me brindou na fase inicial do seu arranque como director de comunicação do Sporting, que conferem com a designação agora utilizada neste post publicado na página do Facebook, segundo a qual sou a “luminária do comentário desportivo”. Na verdade, luminária — para quem não sabe — quer dizer ‘tudo o que alumia” e “pessoa de grande ilustração e competência” e, sem ironia, foi exactamente isso que me disse no nosso primeiro diálogo, uma vez que até aí não tínhamos tido, enquanto oficiais do mesmo ofício, qualquer tipo de conversa: “você, Rui Santos, distingue-se porque construiu uma carreira com base na sua independência e é uma voz ouvida e respeitada”. Como percebi agora que os grandes pigmeus grandes mentem, talvez nesse primeiro amistoso telefonema os elogios já fossem uma construção oportunística, conjuntural e mentirosa.
Depois, estes grandes pigmeus grandes têm de se decidir: por um lado, querem que se lhes ligue a confirmar informação; por outro lado, queixam-se de “tantas vezes” receberem chamadas. Primeiro: o Saraiva é pago para, entre outras coisas, responder às questões colocadas pelos jornalistas; segundo: as ‘tantas vezes’ que o grande pigmeu grande refere contam-se através dos dedos de uma mão. Em 8 meses, são assim “tantas vezes”?
Saraiva insinua que tenho agenda ou interesses (de outrém) a defender. O facto de saber que não tenho nem agenda nem defendo interesses de facções (nem de sportinguistas, nem de benfiquistas, nem de portistas, nem de outra colectividade, seja grande, média ou pequena) é que irrita os protagonistas da bola. É exactamente por não me deixar capturar (apesar de todas as tentativas nesse sentido) que, ciclicamente, sou atacado e visado. Estou habituado e é precisamente neste momentos que se conhecem os homens. Não me interessa a estatura física. Interessa-me mais a ‘dimensão’ dos miolos. E preocupa-me que alguns tenham os miolos ligados (por canais) ao intestino grosso.
Quando Saraiva me chama de paladino da verdade desportiva está a arriscar-se. Não lhe quero chamar fraude, para não baixar ao nível do director de comunicação do Sporting, mas menos ético, no mínimo, é alguém tentar passar a ideia de ter sido o patrono da defesa da Verdade Desportiva, nomeadamente através da introdução das novas tecnologias no futebol. Lamento informar mas ainda ninguém sabia, em Portugal, quem era Bruno de Carvalho e já tentávamos sensibilizar a opinião pública para essa necessidade. A luta pela transparência no futebol português não começou há 4 anos.
Vamos ao que importa:
Saraiva está hoje no Sporting em razão das boas relações que o seu patrão sempre teve com esse grupo de comunicação, o que não tem nada de negativo. Mas é assim.
Ainda Saraiva estava no DN e já o Jogo tinha acesso a tratamento de excepção por parte do “Sporting de Bruno de Carvalho”. Através de outros canais. O que também não tem nada de negativo. Mas também é assim.
Saraiva faz um elogio à Global Media mas critica-a por não ter publicado o desmentido sobre as notícias de segunda-feira. Onde fica o elogio e onde fica a crítica? Notícias que dão conta da construção de um Sporting de futuro sem Jesus, na véspera de um jogo crucial, não deveriam ser desmentidas de uma forma tão veemente que esse desmentido se ouvisse na China?!…
Pergunto a Saraiva se sabe por que razão o seu presidente fez a viagem de regresso de carro, após a eliminação da Taça de Portugal, e não juntamente com a equipa? Terá sido para apanhar, mais descontraídamente, o fresquinho da madrugada?
Sabe Saraiva o motivo pelo qual, ainda estava eu em antena na terça-feira, já havia um grande reboliço na redacção do Jogo, com movimentações no sentido de se apurar quando e em que condições se iria fazer a rescisão do contrato de Jorge Jesus?
Não saberá Saraiva, esse grande pigmeu grande, a razão pela qual, ao mesmo tempo que eu analisava o momento ‘leonino’ no Tempo Extra, havia figuras ligadas ao Sporting e conhecidas por serem indefectíveis apoiantes de BdC, a defender a tese de que Jorge Jesus devia pedir a demissão?
Acha Saraiva que estou a dormir? As notícias de esvaziamento dos poderes de Jorge Jesus e a saída de Octávio são coincidências? E eu pergunto: quem é que deu esses poderes a Jorge Jesus? Quem é que lhe aumentou as condições salariais já depois de entrar em Alvalade? Querem fazer de Jorge Jesus um novo Marco Silva? Querem meter-se com o fato de treino de Jorge Jesus e das vezes que não foi para o banco com fato oficial e deu entrevistas sem autorização? O treinador do Sporting pode ter (e tem) algumas responsabilidades na má época que o Sporting está a realizar. Mas sejam homenzinhos. Não se fazem contratos até 2019 para, à primeira contrariedade, se tentar achar e construir internamente um bode expiatório.
No meio do desespero, tenho pena deste papelinho que Saraiva está a fazer, um papel pouco higiénico, mas os ex-jornalistas sabem, ou pelo menos deviam percepcionar, que quem vai para o futebol para ser a voz do dono corre o risco de se transformar numa ameba. Já imaginaram uma ameba com trela? Daria um excelente ‘cartoon’.
Cresçam!

Sem comentários: