sábado, 10 de dezembro de 2016

O HOMEM QUE ADIVINHA OS ONZES

Jorge Sousa estuda as equipas ao pormenor e confessa que gosta de “grandes ambientes”



Se, hoje, quem estiver a preparar uma projeção do dérbi Benfica-Sporting tiver muitas dúvidas, tem sempre uma solução: pedir ao árbitro nomeado para o jogo, Jorge Sousa, para lhe dizer os onzes. Por norma, o árbitro de 41 anos natural de Lordelo acerta em cheio nas projeções que faz. Jorge Sousa há muitos anos faz ‘scouting’ das equipas que arbitra, reunindo toda a informação necessária e não apenas em suporte digital através de vídeos. O dossiê que elabora para cada jogo que apita, garante quem a ele já teve acesso, é altamente detalhado.
Numa palestra a jovens árbitros, no Porto, em 2013, Jorge Sousa levantou um pouco do véu sobre os seus relatórios (e não só), quando se referiu a um encontro entre o Gil Vicente e o Sporting. Nesse jogo, acertou no onze leonino. "Se nos documentarmos desta maneira, dificilmente vamos ser surpreendidos pelo jogo", justificou a sua metodologia. Para ele, é importante "entrar preparado para acompanhar o ritmo do jogo", com a consciência de que em Portugal normalmente esse ritmo é baixo mas com exceções. Como aconteceu nessa partida. "O jogo quando começou não ia no primeiro minuto; já ia, para nós, nos 50 ou 60 minutos", recordou quem normalmente nestes jogos tenta "passar a mensagem de que as faltas pequeninas não irão acontecer", ou seja, com critério largo.
Jorge Sousa explicou também como funciona em termos disciplinar. "Amarelo ou nada é nada, amarelo ou vermelho é vermelho", precisou. Quanto às faltas ocorridas no limite da área, o árbitro que chegou à 1ª categoria em 2003 teve uma abordagem no mínimo curiosa: "Para mim é sempre para a pinta, ou seja, para penálti, mas nesses casos fico sempre com a decisão técnica de apurar se foi falta ou não enquanto o meu assistente mais próximo, normalmente mais bem colocado, fica com o local, focando-se nos pés dos jogadores", detalhou. "Não posso estar a olhar para a porta mas sim para a fechadura", precisou ainda.
Patrão desde 2004, quando montou uma fábrica de tratamento de toros de madeira em Frazão, Paços de Ferreira, Jorge Sousa chegou à arbitragem com 18 anos, por convite de um amigo. Hoje, está cada vez mais próximo do fim da carreira mas ainda aspira chegar à elite da arbitragem europeia e mundial. Está a um curto passo.
Esta semana, foi nomeado para mais um jogo da Champions, o Basileia-Arsenal, e encontrou um daqueles ambientes de que mais gosto, isto é, um estádio cheio. "Adoro apitar em estádios com as bancadas repletas e confesso que gosto muito de atuar no Estádio da Luz", revelou numa entrevista à Vale do Sousa TV quem pensa que o melhor árbitro "não é o que não falha mas o que falha menos". O árbitro do dérbi de amanhã vai desde já tentar não falhar nos onzes. Será sempre um bom pontapé de saída.
Um dia tranquilo com reuniões de preparação
Não muda muito o dia de Jorge Sousa quando tem pela frente um jogo grande, neste caso um dérbi com a importância deste. O trio viaja de véspera do Norte do país – os assistentes são os habituais Álvaro Mesquita e Nuno Manso –, e o quarto árbitro, neste caso Bruno Esteves, viaja de Setúbal apenas na manhã do encontro.
O quarteto desloca-se ao estádio para a reunião preparatória com os responsáveis de segurança. De regresso ao hotel, é tempo de um encontro a quatro para conversar sobre os jogadores que estarão em campo; com a lição bem estudada, Jorge Sousa encontra com os companheiros de equipa a melhor estratégia de arbitragem para fazer face ao encontro.
Com o jogo marcado para as 18 horas, o tempo de descanso depois do almoço é um pouco menor. É que o árbitro gosta de chegar ao local do encontro duas horas e meia antes do apito inicial. Neste caso, a partida será às 15h30.
Em quinto lugar no top da época
Jorge Sousa está de regresso à boa forma física. E o facto é que não se tem cansado de dirigir jogos esta temporada. Nas competições nacionais pode não estar no primeiro lugar, mas, somando as provas internacionais, aparece no quinto lugar de uma lista que regista apenas árbitros internacionais nos primeiros oito classificados.
O árbitro do dérbi deste domingo dirigiu já cinco partidas da Liga NOS, quatro da 2ª Liga e um da Taça de Portugal. No que diz respeito ao escalão principal, apitou duas vezes o Benfica, o V. Guimarães e o Tondela; e uma vez o FC Porto, Sporting, Sp. Braga, Rio Ave, Belenenses, Moreirense, Boavista e V. Setúbal.
Lá fora soma dois jogos qualificação para o Mundial’2018, um da 3ª pré-eliminatória da Liga Campeões e três da fase de grupos da prova milionária.

Sem comentários: