segunda-feira, 20 de abril de 2015

FC Porto em Munique: perfeitamente possível

Em Munique com dois golos de vantagem, o FC Porto parte como favorito não apenas por isto.
A vitória conseguida em casa, completamente contra a corrente, gerou uma onda de entusiasmo que também conta.
Agora não são apenas os jogadores portistas que acreditam - são também os seus adeptos.
Têm razões para acreditar.
O FC Porto é um clube do top ten europeu.
A sua atual equipa pode não ser a melhor do Mundo mas é uma equipa. O jogo que pratica por vezes pode parecer entediante mas nos grandes momentos costuma funcionar, embora tal não tivesse acontecido por duas vezes em casa, frente a Sporting e Benfica.
Falta saber como está Jackson para este jogo. No Dragão, ele foi o mais importante: ganhou um penálti que abriu o marcador e fez o golo que pode resolver a eliminatória.
Não será fácil mas é perfeitamente possível.
Com o FC Porto é sempre possível, não é algo que dependa muito do acaso, mas este, porventura, pode dar uma ajuda.
 

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Foi um excelente jogo do FC Porto...

...gostei!, agora é aguardar pelo inferno da baviera e esperar por um dia igual ao de ontem por parte dos alemães e, de preferência, com o mesmo onze inicial.


domingo, 12 de abril de 2015

Grande resultado, alta nota artística

Vitor Serpa 
OPINIÃO


Uma das melhores exibições do Benfica, esta época. Um espectáculo entusiasmante e um resultado demolidor da equipa liderada por Jorge Jesus, que parece chegar a um momento decisivo do campeonato no momento mais alto da época.

O Benfica respira saúde e autoconfiança. Os seus jogadores parecem jogar de olhos fechados e, desta vez, conseguiram manter uma grande intensidade no jogo durante noventa minutos. Tudo isso, aliado ao facto de Jesus ter alinhado na festa, fazendo regressar Fejsa (que grande golo!) e estrear Jonathan, deixando em delírio o Estádio da Luz.

Pode dizer-se que a Académica começou o jogo com o equívoco de pensar que poderia parar este Benfica defendendo com mais homens na grande área e que acabou por pagar caro esse erro. A verdade, porém, é que a águia voou alto de mais para ser alcançada e foi, sempre, forte de mais para poder ser contrariada. 

O Benfica regressa assim aos grandes resultados e às grandes exibições. Volta a vencer com elevada nota artística e isso chama cada vez mais público, entusiasma cada vez mais os seus adeptos e conquista um ambiente de otimismo em relação a esta fase final do campeonato.

O FC Porto, porém, não despega e a verdade é que, em Vila do Conde, cumpriu a promessa feita pelo seu treinador de não se atrever, antes do jogo com o Rio Ave, a pensar no jogo da próxima quarta-feira, com o Bayern, para a Liga dos Campeões. Tudo indica, pois, que teremos um final de campeonato escaldante. Um campeonato de incerteza, quanto ao título, até ao fim. Um privilégio para o futebol português.
Vítor Serpa no jornal «A Bola»

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Nova profissão no futebol

VISÃO DE JOGO


Poderia ter sido uma mentira de 1 de abril, mas é mesmo verdade. Desde o início deste mês, a FIFA passou a reconhecer nos seus estatutos a figura do "intermediário de jogadores". Isto significa que a partir de agora qualquer pessoa poderá participar em transferências de jogadores sem necessidade de licenças, exames ou provas de acesso. É o fim dos agentes FIFA. 


O cenário agora é este: com ou sem formação e experiência na área, nem precisando de apresentar percurso profissional, cadastro ou prova de caráter e boa reputação, qualquer um se pode tornar intermediário e fazer contratos de representação desportiva. A pergunta imediata é esta: onde está a transparência e que tipo de práticas a FIFA está a querer incentivar? Fica a sensação de que está aberta uma fonte de problemas.


Uma solução destas dificilmente agradará a clubes, atletas e mesmo às federações nacionais, que até agora iam contabilizando os agentes de jogadores existentes e observando a sua atividade e honorários cobrados. Com esta intervenção da FIFA, os intermediários passam a ter via aberta para uma atividade quase sem regulamentação. Em Portugal, a FPF exigirá o registo dos intermediários, o pagamento de uma taxa de mil euros e criará a Comissão de Intermediários. Mas será isso suficiente? 

Em vez de apertar o cerco aos prevaricadores, a FIFA optou pela via aberta, terminando com o sistema de licenciamento

A FIFA sentiu que a maioria das pessoas envolvidas nas transferências de jogadores no mercado internacional não tinha licença de agente. E em vez de apertar o cerco aos prevaricadores, optou pelo contrário: via aberta para todos, terminando com o seu sistema de licenciamento. E agora, os 6.000 agentes FIFA, que estudaram, fizeram exames e pagaram licenças terão concorrência aberta a qualquer habitante do Planeta. Trata-se de um convite aberto a pessoas que não querem saber nem gostam de futebol, mas que queiram ganhar dinheiro com ele.


Os estatutos da FIFA são omissos no que respeita a qual será o órgão da instituição com competência para atuar sobre a atividade dos intermediários desportivos. E as dúvidas são muitas. Que funções poderão desempenhar estas figuras? Por exemplo, um dirigente de um clube poderá ser intermediário na venda de um jogador? Como resolver casos de conflitos de interesse? Muitas questões e poucas respostas para um problema que com o mercado de verão à porta se notará cada vez mais.


Além disso, sem a figura dos empresários, apesar das críticas que estes possam merecer, há um sério risco de haver um maior foco em negócios a todo o custo, do que na valorização das carreiras dos jogadores. O acompanhamento que os empresários fazem dos atletas da sua carteira, que é importante, deixa praticamente de ser necessário porque, no momento da venda, qualquer intermediário pode surgir para levar a comissão de uma transferência sem precisar de conhecer o jogador em causa. Isto é, no mínimo, ridículo.


Por outro lado, o Regulamento de Intermediários de Jogadores estabelece também limites às comissões e intermediações em transferências. Qualquer pessoa singular ou coletiva só poderá receber 3% do valor da transferência numa comissão ou 3% do valor total dos salários brutos que o jogador tenha a receber. E em contratos com menores de idade, os intermediários não poderão receber dinheiro. Medidas interessantes, tendo em conta que atualmente as comissões são milionárias e passam quase sempre os 10%, mas que correm todos os riscos de falhar em função da medida inicial que abre o espetro a negócios pouco transparentes. Um assunto para continuar a acompanhar e perceber se não se transforma numa caixa de Pandora…


A JOGADA


A confirmar previsões


Zé Luís entrou cedo no radar dos principais clubes portugueses. Ainda com idade de júnior, em 2010, os relatórios dos olheiros alertavam para um avançado promissor a dar os primeiros passos no Gil Vicente, na altura na 2.ª Liga. O Braga antecipou-se à concorrência, mas o jogador nunca se afirmou em pleno nos bracarenses, muito por causa de duas lesões graves. Agora, depois de um empréstimo bem-sucedido na Hungria, onde apontou 15 golos, a potência, a qualidade técnica e o faro de golo do cabo-verdiano estão finalmente a revelar-se na equipa minhota. Um valor em crescendo, a confirmar os prognósticos.


O CRAQUE


Reforço valioso


Ewerton não precisou de muito tempo para mostrar a importância que pode ter na equipa principal do Sporting. Em cinco jogos, as qualidades do central brasileiro já se revelaram e o jogador está a responder positivamente à confiança e à paciência que os responsáveis leoninos depositaram nele. Muito forte na antecipação, imperial no jogo aéreo e bom no transporte de bola, traz mais tranquilidade ao sector defensivo e ainda é valioso nos lances de bola parada ofensivos. A defesa sportinguista tem um novo comandante. 


A DÚVIDA


Um caminho inevitável


O jovem Gonçalo Guedes renovou contrato com o Benfica até 2021 e passa a ter uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros. Números que garantem que o jogador é uma aposta séria para os próximos anos e que dão corpo à intenção de Luís Filipe Vieira de integrar mais jogadores da formação do Benfica no plantel principal das águias. Gonçalo Guedes serve assim de inspiração para outros jovens acreditarem que o sonho é possível. Para os clubes nacionais, esta é uma via inevitável. Que outros jovens seguirão o caminho de Gonçalo Guedes? 
António Oliveira no jornal record

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Quando Paulo Bento foi treinador do Sporting

Em quatro épocas e meia como técnico do Sporting, lembram-se do que Paulo Bento conseguiu? Eu ajudo: 
 
5 apuramentos consecutivos para a champions league com o 2º lugar conquistado ao Benfica no campeonato português; 
2 taças de Portugal;
2 supertaças Cândido de Oliveira. 

Depois dele, não vi mais ninguém fazer melhor. Era só isto para alguns amigos meus que por vezes tem a memória curta.
E, não se esqueçam que antes de chegar à equipa principal, venceu na sua estreia como treinador dois campeonatos nacionais de juniores;


 

terça-feira, 7 de abril de 2015

O FC Porto continua na luta...

... e o jogo de ontem foi prova disso mesmo! 5-0 ao Estoril com uma 'pintarola' do 'caneco'.
 
 

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Respira fundo, Benfica

 
Aguenta coração. Os benfiquistas sofrem a bom sofrer, a cada jornada o dragão esvoaça sobre as gentes da Luz e assombra os encarnados, que estão muito longe de esquecer a imagem de Jorge Jesus ajoelhado na relva do estádio do rival. Um tormento para gerações.



Respira fundo, Benfica. Os assobios não ajudam nada, até porque candeia que vai à frente alumia duas vezes, para mais com três pontos de avanço e, mesmo que o jogo decisivo venha a ser o clássico entre os dois, a águia tem a vantagem de o encontro ser na sua casa. As manifestações de nervosismo dos adeptos só aumentam as angústias que os medos do FC Porto provocam.



Para o Benfica e Jorge Jesus, este campeonato é muito especial. Para o Benfica, ser campeão este ano é imperativo, pois significa quebrar um enguiço de 30 anos sem bicampeonato, o que quer dizer um desgarrado sucesso desportivo. Muito pouco para os costumeiros discursos empolgados. Para Jorge Jesus, faz toda a diferença. Seria uma época de falhanço total não ser campeão e poderia significar uma saída de sendeiro do clube da Luz. Imerecida, na verdade muito imerecida, mas é sabido que o futebol não é generoso com os feitos do passado perante os insucessos do momento.



O bicampeonato será ainda um aconchego interno para que fique esquecida a fraquíssima campanha europeia. Os sucessos caseiros são pobres, porque o campeonato português é pobre, mas é o que temos e é este que há para festejar. O FCPorto está nas frentes interna e europeia e é, de facto, o único verdadeiramente grande cá do burgo. Venha um final de campeonato empolgante.



No outro campeonato, o Sporting continua a brincar em serviço. Como é possível um clube que se declarou candidato a campeão desperdice tantas oportunidades de golo? É um mistério tal falta de eficácia. Tanto falhanço começa por arrepiar para depois desmoralizar o mais fervoroso adepto. Ou isto muda ou será triste o fim.
Alberto do Rosário no jornal record

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Jorge Jesus respira ar puro...

...e também sempre bem acompanhado, está o João Malheiro, óbvio!
 
 
Foto do facebook de João Malheiro