sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Clássico para vencer

VISÃO DE JOGO


Está a chegar o duelo mais aguardado do futebol português. As duas melhores equipas do campeonato vão medir forças no domingo e ambas partem com a expectativa de vencer no Dragão. Tudo indica que teremos um jogo cheio de emoção e competitividade. Por seu lado, o Sporting observará este jogo com atenção já que tem nesta jornada uma possibilidade de encurtar as distâncias pontuais para os lugares cimeiros.

O FC Porto-Benfica chega na melhor altura para as equipas. Embora por motivos diferentes, com a eliminação das águias e a qualificação já garantida dos dragões, os dois conjuntos apenas tiveram de cumprir calendário na jornada europeia e isso permitiu-lhes poupar energias e as suas principais peças para o clássico. Por isso, tudo indica que teremos os dois lados da barricada a 100% num jogo de grande intensidade até ao último minuto.

Além disso, as partidas com Bayer Leverkusen e Shakthar Donetsk, respetivamente, revelaram que Jesus e Lopetegui dispõem de mais matéria-prima em que podem confiar no caso de necessidade. Pizzi parece ser o novo trabalho de laboratório de Jorge Jesus, a alinhar como centrocampista e perfilando-se surpreendentemente como alternativa fiável a Enzo Pérez, que tal como o português também jogava nas alas antes de ir para o meio. César e Ola John também deixaram bons apontamentos.

Nos dragões, as exibições de Ricardo confirmam-no como opção válida para suceder a Danilo, um jovem talentoso que dá tudo dentro de campo e que pode fazer os dois lugares do corredor direito, apenas precisando de mais minutos de jogo para evoluir. E Aboubakar, avançado ainda sem o traquejo de Jackson e com rotinas de jogo em transições, a começar a habituar-se a jogar numa equipa grande e a dar a conhecer o seu potencial para ser um grande ponta- de-lança no futuro.

Para o FC Porto, esta é a oportunidade ideal para chegar à liderança do campeonato e juntar a isso a vantagem direta sobre o principal adversário. E, por força da rivalidade histórica entre os emblemas, é o jogo que os portistas mais querem ganhar. Como dizem os espanhóis, a equipa de Julen Lopetegui jogará com “ilusão”, no sentido da palavra para expressar sonho, desejo, esperança e ambição. E motivados pelo crescendo de forma, que lhes tem permitido aliar boas exibições a vitórias, os dragões partem com a motivação em alta.

O Benfica terá também uma palavra a dizer e a sua equipa tem qualidade mais do que suficiente para vencer na casa do rival. Prova disso é a campanha positiva no campeonato, que lidera com grande eficiência. Para os encarnados ganhar seria a cereja no topo do bolo, já que uma vantagem de 6 pontos, nesta altura, daria um embalamento enorme e um aumento dos níveis de confiança para o que resta de campeonato.

No FC Porto, Ricardo perfila-se como opção a Danilo e, no Benfica, Pizzi é alternativa a Enzo

Acredito que serão as individualidades a fazer a diferença no clássico. E será um prazer para todos os apreciadores de futebol ver no mesmo estádio estrelas como Brahimi, Salvio, Tello, Gaitán, Jackson Martínez, Lima, Óliver, Enzo Pérez, Herrera ou Talisca, entre outros, elementos que podem resolver uma partida e dar outro tipo de brilho à partida. Dos pés destes artistas se fará a história deste jogo.

Se vencer o Moreirense em casa, o Sporting será um dos espectadores atentos dos desenvolvimentos do jogo no Dragão. Uma vitória azul e branca, ou um empate no clássico, aproximaria os leões do topo e, apesar de ser ainda muito difícil recuperarem, a diferença para os dois rivais, relançaria as esperanças de poderem sonhar com algo mais.

O CRAQUE

Extremo goleador

Formado nas escolas do Sporting, Marco Matias esteve emprestado a vários emblemas de divisões secundárias até se dar a conhecer no escalão principal. Subiu a pulso na carreira e destacou-se pela mão de Rui Vitória no V. Guimarães. Trata-se de um extremo forte, rápido, com boa técnica e que sabe finalizar. Agora ao serviço do Nacional, continua a mostrar a veia goleadora (7 golos em 16 jogos em todas as competições) e é uma das principais referências da equipa madeirense. Um bom jogador do nosso campeonato.

A JOGADA

Qualidade e competência

Não é todos os dias que uma equipa portuguesa vence um grupo na Liga dos Campeões sem derrotas. O FC Porto conquistou 14 pontos, uma marca superior à obtida juntamente pelos rivais Benfica e Sporting (12). A equipa de Lopetegui teve muito mérito e conseguiu uma prestação brilhante na Europa. A par disso, os azuis e brancos ganharam prestígio, dinheiro e ainda se mantiveram invictos no campeonato nacional nesta fase intensa de jogos, podendo rodar a equipa titular na última jornada europeia. Um objetivo cumprido com qualidade e competência.

A DÚVIDA

Onde fica a verdade desportiva?

Miguel Rosa e Deyverson, dois dos melhores jogadores do Belenenses, responsáveis por 11 dos 15 golos que a equipa marcou até ao momento na Liga, não jogaram contra o Benfica, clube que detém direitos económicos nos passes dos jogadores. Mas é bom referir que estes jogadores não estão emprestados pelo Benfica ao Belenenses. Têm contrato e estão registados na FPF exclusivamente como jogadores do Belenenses que é quem lhes paga o ordenado. Por que não alinharam na Luz? Este e outros casos semelhantes não estarão a colocar em causa a verdade desportiva?
António Oliveira no jornal record

Sem comentários: