segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Faltaram 11 metros ao Sp. Braga no Dragão...



Desta vez não foi ao minuto 92 - foi ao 93. Pedro Santos adianta-se a Martins Indi e é tocado no ombro pelo defesa luso-holandês. Estes lances são sempre difíceis de analisar mas desta vez parece limpinho, limpinho. Mas Pedro Proença não apontou para a marca dos 11 metros. Sente-se o Sp. Braga prejudicado e tem as suas razões. É muito difícil um árbitro em Portugal castigar um grande com um penálti na última jogada de um desafio. Seja no Dragão, seja na Luz, ia dizer seja em Alvalade mas se calhar não. Seja ele também o melhor árbitro do mundo e restante sistema solar, incluindo Ceres e os restantes planetas anões.
A verdade é que na semana que passou muito se falou no velho aforismo do quem não chora não mama a propósito de Julen Lopetegui, que se afundou no banco no fim do jogo, provavelmente tentando descarregar toda a adrenalina.
O FC Porto, ao contrário do que disse o seu treinador no final da partida, não tinha a obrigação de ganhar - esse é um direito que lhe assiste sempre que joga em casa frente a uma equipa do nosso campeonato.
Três empates consecutivos no campeonato é dose e este jogo era mesmo para ganhar. Três pontos mamados. Quem agora chora são os bracarenses mas como Braga é a cidade portuguesa que mais igrejas tem, não há problema. Não é por causa do que aparentemente é um roubo de igreja que o Vaticano português vai abanar, até porque os guerreiros jogaram de olhos nos olhos com o FC Porto, enquanto na Luz o Benfica precisou de usar o saca-rolhas para bater o Arouca, como se sabe uma equipa fortíssima. Apesar de um Benfica "muito longe do seu melhor" (conforme referiu o Hélder Conduto, na BTV), ficou o sabor de uma goleada.
Mais uma jornada se foi, vem agora aí a Taça de Portugal, e os paineleiros ficam com alguma coisa para dissecar. Pena não ser possível podermos apreciar nas próximas horas e dia a opinião de especialistas do Sp. Braga ou do próprio António Salvador.
Post de Eugénio Queirós, aqui

Tal como já aqui escrevi por diversas vezes, os 'grandes' continuam sempre a sair por cima em termos de erros de arbitragens. Ontem, foi o FC Porto, já antes tinha sido o Benfica.
No final das 'contas', terão mais motivos para sorrir do que para ficarem tristes.

6 comentários:

Saci Pererê disse...

Há que dizê-lo o Eugénio Queirós é um filho-da-puta desonesto, peço desculpa mas é impossivel continuar a tolerar esse atrasado mental, anti-portista primário. Então esse porco nojento não fala de um penalty clarissimo sobre o Alex Sandro e fala deste? Não fala do agarrão do Maxi, mas fala deste?
Já perdi a paciência para esta gentalha, é um filho-da-puta. Se quiser censurar, esteja à vontade César, agora quem não respeita as pessoas e os clubes adversários desta maneira não merece ser respeitado.

Saci Pererê disse...

http://www.tubechop.com/watch/3695756

Mande lá este video para esse filho da puta do Eugénio Queirós.

Saci Pererê disse...

http://www.tubechop.com/watch/3695756

Para o grande porco aldrabão, higiénico queirós.

César João disse...

Saci,

não te enerves.

Abraço.

Anónimo disse...

Caro César.
O seu comentário após a crónica do EQ também não honra muito a sua isenção! O FCP NÃO FOI BENEFICIADO, podia é ser prejudicado no min 93. Lembra-se da gp sobre o lucho no fcp 1 slb 1 e depois no penalti que não existiu sobre o lisandro?
4 anos depois ainda falavam desse benefício ao FCP!
Isenção, pf. Obrigado. Saudações desportivas.
Luís Pacheco

César João disse...

Caro Luís,

é como eu digo - os 'grandes' continuam sempre a sair por cima em termos de erros de arbitragens.
No final das 'contas', terão mais motivos para sorrir do que para ficarem tristes. Seja Benfica ou FC Porto (os último que mais tem lutado pelos títulos recentes), são sempre mais beneficiados do que prejudicados.