domingo, 31 de março de 2013

Zanetti: «Penso que vou jogar mais uma temporada»

A poucos meses de chegar aos 40, Javier Zanetti não pensa ainda em pendurar as botas e garante que vai jogar mais uma temporada.

«O que vai acontecer no final da época? Penso que vou jogador mais uma temporada», afirmou o capitão do Inter em declarações à Mediaset, clube que representa há 19 temporadas.



O argentino, que celebrará 40 anos em agosto, falou ainda do desaire do Inter, este fim de semana, com a Juventus, por 1x2, e garante que a ambição europeia da equipa está intacta.


«O Inter continua na corrida pela Champions. É nosso dever continuar a dar tudo e continuar a acreditar nas nossas possibilidades. Esperamos que, no próximo ano, possamos lutar por objetivos mais altos», projetou.

daqui
Argentina Javier Zanetti
Javier Adelmar Zanetti
Argentina Argentina
Itália Itália
1973-08-10 (39 anos)
Defesa
75 kg
178 cm

convocados do Sporting para Braga

Guarda-redes: Rui Patrício e Marcelo Boeck;

Defesas: Cédric, Joãozinho, Miguel Lopes, Marcos Rojo, Tiago Ilori, Eric Dier e Fokobo;

Médios: Adrien, Schaars, Jeffren, Capel, Rinaudo, Labyad, André Martins e Bruma;

Avançados: Wolfswinkel e Viola.

sábado, 30 de março de 2013

uma Santa e Feliz Páscoa

Benfica não desarma, FC Porto não desmama



Coimbra é uma tradição.

Oito jogos consecutivos do FC Porto para o campeonato em Coimbra, 8 vitórias.

Os estudantes mais uma vez vão lutar pela permanência até ao fim. Valeu aquela Taça...de resto, pouco mais para contar sobre esta Académica de Pedro Emanuel.

No Calhabé, o FC Porto nem precisou de dar o máximo. Bastou ligar o motor.

Na Luz, o Benfica cilindrou o Rio Ave. A equipa está moralizada, forte, determinada.

Vai ser difícil não chegar ao jogo do Dragão com a vantagem que já tem.

Vamos ver o que faz agora o Sporting de Bruno de Carvalho. É agora ou nunca, caso contrário ficará pela primeira vez na sua história fora das competições europeias.

daqui

uma vergonha esta prestação de Costinha

tal desgraça este Beira-Mar orientado por Costinha, hoje, foi a vez do mestre Cajuda lhe roubar três pontos na própria casa.
até uma equipa cheia de problemas (não recebem há três meses) consegue afundar ainda mais este grande clube de Aveiro.

culpados? ..., quem  manda querer fazer treinadores a torto e a direito?!...

Costinha, um conselho: vai lá tirar os cursos que não tens (o treinador do Beira-Mar só tem o nível I, apenas pode treinar nos distritais) e depois volta, até poderás vir a ser um bom treinador no futuro.

Parabéns a Manuel Cajuda e a todos aqueles que integram este Olhanense - melhores dias virão certamente para os cofres algarvios.

Parabéns Belém!

O Belenenses garantiu este sábado a subida à primeira Liga portuguesa apesar de ter perdido (0-2) na deslocação ao terreno do Penafiel.

O clube do Restelo beneficiou do facto do Santa Clara também ter perdido na deslocação a casa do Atlético (0-1) e da Oliveirense ter empatado (0-0) em casa frente ao Trofense.

A nove jornadas do fim da segunda liga, o Belenenses soma 78 pontos, uma vantagem de 24 sobre Leixões (que tem mais um jogo), 25 sobre Aves (também com mais um jogo) e 28 sobre Santa Clara e Oliveirense.
daqui
título meu

Benfica na máxima força para logo mais

Lista de convocados

Guarda-redes : Artur Moraes e Paulo Lopes;

Defesas: Garay, Luisão, Jardel, André Almeida, Maxi Pereira e Melgarejo;

Médios: Carlos Martins, Pablo Aimar, Ola John, Gaitán, Matic, Salvio, Enzo Perez, Urreta e André Gomes;

Avançados: Rodrigo, Lima e Cardozo.

o campeão aproxima-se a passos largos de ser encontrado

a liga zon sagres está de volta, ontem já se disputou o Paços Ferreira - Gil Vicente com vitória para os da casa por 3-2 .

as atenções estão hoje voltadas para Coimbra - o campeão em título vai tentar voltar às vitórias num terreno onde não tem sido muito feliz ultimamente.
será que é desta que Liedson joga mais alguns minutos?!...

também na Luz o proximo campeão nacional recebe o Rio Ave num jogo que não será difícil de ganhar pelos encarnados.

a jornada termina segunda-feira com um Braga - Sporting, primeiro jogo do novo presidente leonino Bruno Carvalho.

sexta-feira, 29 de março de 2013

Parabéns Maestro!

o excelente ambiente no Moreirense de Augusto Inácio

FC Porto com Moutinho mas sem Varela para Coimbra

Lista de convocados:

Guarda-redes: Helton e Fabiano;

Defesas: Danilo, Maicon, Mangala, Abdoulaye, Alex Sandro e Otamendi;

Médios: Lucho, Castro, João Moutinho, Izmailov, Defour Fernando,

Avançados: Jackson, Liedson, James e Kelvin.

quinta-feira, 28 de março de 2013

pancadaria da grossa num jogo de futebol em Portugal...

...com cenas lamentáveis que não se admitem.



«Não sinto ansiedade»

Treinador do FC Porto revela que todos os jogos até ao final do campeonato são decisivos.

«Não sinto ansiedade»
Vítor Pereira e o FC Porto regressa ao campeonato nacional, onde ocupa o segundo lugar, atrás do líder Benfica, depois da paragem para os compromissos com as seleções para defrontar a Académica de Pedro Emanuel.

«Espero um bom jogo. Da nossa parte, queremos dar um sinal claro de força e luta pelos nossos objetivos. Sabemos o que queremos. A Académica está necessitada de pontos e a querer mostrar qualidade perante os seus adeptos», começou por dizer, esta quinta-feira, Vítor Pereira, na conferência de imprensa de antevisão, que se realizou no Centro de Treinos do Olival.

O atraso de quatro pontos para o primeiro lugar, e a sete jornadas do fim do campeonato, não provocam «ansiedade» no treinador portista, pelo menos é o que garante.

«Não sinto ansiedade. É a nossa obrigação, como equipa, jogar em Coimbra para ganhar. É a nossa obrigação perante nós próprios. O que está em jogo no sábado é um título. Espero um sinal forte de caráter e personalidade da nossa equipa», afirmou.

«Este campeonato é decidido já no próximo sábado, e em cada jogo que falta», acrescentou.

A paragem para os compromissos com as seleções precedeu-se após um empate do FC Porto na ilha da Madeira: «A paragem depois de um empate nunca nos satisfaz, porque queremos voltar às vitórias o mais rápido possível».

O tema “João Moutinho” e a sua utilização pela seleção portuguesa incomodou o presidente do FC Porto e a inquietação de Pinto da Costa irritou o selecionador Paulo Bento. Para Vítor Pereira, cada um manda na casa que pode.

«Eu faço a gestão dos jogadores enquanto cá estão. Quando saem daqui deixam de estar debaixo da minha gestão. Quanto ao Moutinho, que não pudemos contar com eles nos últimos jogos, sei que vem com vontade de jogar, e por isso vamos ver um Moutinho ao melhor nível», explicou Vítor Pereira.

«Em relação ao nosso presidente não esperaria outras coisa, ele defende as cores do nosso clube. A partir do momento em que o João Moutinho está ao nosso dispor, cabe-me gerir a melhor condição física dele. Teve só um dia para recuperar, portanto ainda não trabalhou completamente integrado connosco», avaliou.

O FC Porto, segundo classificado com 57 pontos, visita, este sábado às 18h15, a cidade de Coimbra para defrontar a Académica (12.ª com 21 pontos), em desafio da 24.ª jornada da I Liga.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Jogadores do Sporting com salários em atraso


Ordem de pagamento dos ordenados de fevereiro já terá sido dada, mas falta o processamento.
Se não receberem, jogadores podem rescindir a partir de 5 de abril...
Godinho Lopes prometeu, mas ainda não liquidou os ordenados dos jogadores referentes ao mês de fevereiro, apurou O JOGO.
Ao contrário do que foi veiculado, até ao final desta terça-feira ainda não tinham sido processados os salários.

A ordem de pagamento terá sido dada, mas certo é que o dinheiro ainda não apareceu.

Se tal não suceder até ao próximo dia 5 de abril, os atletas podem rescindir os respetivos contratos com justa causa.

A venda do goleador Ricky van Wolfswinkel ao Norwich foi o último ato de gestão de Godinho Lopes, sob pretexto de antecipar verbas e canalizá-las para saldar os vencimentos dos jogadores às ordens de Jesualdo Ferreira e assim evitar uma debandada quando faltam sete encontros até ao termo da temporada.

terça-feira, 26 de março de 2013

Com a cabeça se expurga o “azeri” (0x2)

Como é fado lusitano, só à incontável ocasião de golo é que Portugal se libertou dos demónios em Baku, no Azerbaijão, esta terça-feira. Bruno Alves (63’) e Hugo Almeida (79’) - já tinham marcado por esta ordem na última visita aos azeris - expurgaram os males de uma seleção perdulária com dois golpes de cabeça que deixam Portugal de pensamento fixo no Brasil.

Vieirinha fez bem de Ronaldo

Era preciso lavar o rosto das feridas de Tel Aviv e Paulo Bento começou por acrescentar uma alteração à ausência forçada de Cristiano Ronaldo. O capitão, castigado, foi substituído por Vieirinha – que bela exibição -, enquanto Danny entrou no “onze” por troca com o apagadíssimo Silvestre Varela. E a verdade é que a nova imagem portuguesa mostrou-se agradável em Baku; só o golo, esse mal tormentoso, é que teimava – por capricho do poste ou pela crónica ineficácia de Hélder Postiga – em sonegar-se ao jogo lusitano. Mas já lá vamos.

A primeira nota do jogo vital de Baku vai para a defesa, setor esburacado e desconcentrado em Israel e transversal a toda a qualificação. Na primeira parte, só aos seis minutos e aos 34’ houve perigo junto a Rui Patrício, num remate cruzado de Ismailov e após um canto que lançou a confusão na área portuguesa. De sobressaltos no primeiro tempo estamos conversados, também porque os azeris se mostraram relativamente inofensivos.



Bruno Alves fez o primeiro golo do jogo ©Catarina Morais
Pois bem, falemos agora do histórico fado do desperdício lusitano, personificado – sem que aqui haja qualquer espécie de perseguição – na figura de Hélder Postiga. Se os números até lhe dão crédito na seleção – é o melhor marcador da equipa na qualificação -, as tantas e tantas ocasiões que desperdiça levam o mais paciente do adepto à loucura. Esta tarde, em Baku, esbanjou cinco bolas de golo – uma delas inacreditável – só nos primeiros 45 minutos.


Se aos 17 minutos o remate de meia distância foi travado pelo mérito de Kamran Agayev, as restantes são da inteira responsabilidade do ponta-de-lança português. Aos 13’ e aos 22’ desviou fraco de cabeça após cruzamentos de Danny e de Vieirinha (repito, o melhor em campo); aos 27’ foi lento na reação a uma bola que gritava por um toque sobre a linha e aos 45+3, bem… aí não há explicação: o avançado do Zaragoza até apareceu bem na antecipação, mas desviou tão mal, de cabeça, à figura de Agayev. E com isto, o intervalo chegou apeado no 0x0.

Uma expulsão e a eficácia desejada

O primeiro momento-chave após o reatamento deu-se aos 55 minutos, quando o avançado azeri Rauf Aliyev se esticou no lance com Pepe e viu o segundo cartão amarelo. A consequência lógica pinta-se de vermelho e Portugal passava da obrigação de vencer à supraobrigação de bater o Azerbaijão. Paulo Bento não tardou a mudar e tirou o médio Meireles para reforçar o ataque com Hugo Almeida, aos 58 minutos.

Faltava, pois, aquele golpe de libertação; o exorcismo demoníaco do golo. Deu-se, por fim, nas alturas e pela cabeça de Bruno Alves, que já tinha feito o mesmo em Tel Aviv. Foi aos 63 minutos, na sequência de um canto perfeito de João Moutinho. O defesa central do Zenit, hoje capitão de Portugal na ausência de Ronaldo, saltou bem alto ao primeiro poste e desatou o zero que ameaçava ser contagioso para os minutos finais.



Hugo Almeida fechou as contas ©Carlos Alberto Costa
Sonolência antes da decisão


Seja como for, a seleção das «quinas» está longe de limar os defeitos, sobretudo os da mentalidade que Paulo Bento aflorou após o empate em Israel. Ao golo da libertação seguiu-se o jogo da mastigação; a vantagem devolveu a Portugal a sonolência sobranceira que não raras vezes conduz ao precipício. Este final de tarde a coisa correu bem, porque um Azerbaijão – e ainda para mais com 10 – não teve manta suficiente para esticar até Rui Patrício.

Para arrumar a questão apareceu Hugo Almeida, aos 79 minutos, também ele de cabeça, após cruzamento de Fábio Coentrão. Curiosamente, após a história de desperdício da primeira parte, Portugal acabou por provar na segunda que se podem fazer golos sem esbanjar um pote de oportunidades - apesar do falhanço inacreditável de João Pereira, aos 92'; e com 11 pontos somados, a pressão cai agora para Israel, que joga esta noite na Irlanda do Norte. Quanto a Portugal, segue-se a Rússia - sem Pepe, que viu o segundo amarelo - e a derradeira esperança de reacender a luta pelo 1.º lugar. É preciso é não o vender o peixe da desistência antecipadamente…

daqui
Veja as incidências da partida no acompanhamento feito pelo zerozero.pt.
Qual. Mundial (UEFA) Apuramento WC2014 - UEFA
2013/03/26, 17:00, Baku
Azerbaijão
0:2
Portugal
Hugo Almeida 79'
Bruno Alves 63'
Vídeo
00:51

é um tal malhar na selecção para desviar atenções

que a selecção não está na sua melhor fase, já todos sabemos!

que o FC Porto não está na sua melhor fase, também já todos percebemos! ...

e o que faz o seu presidente para entreter os adeptos e as críticas aos últimos maus resultados do FC Porto?

volta-se a malhar na selecção!!!...sem tirar nem pôr.

(foi há poucos minutos e, pelas minhas contas, já é a terceira vez que Pinto da Costa se refere à selecção após o empate em Israel)


segunda-feira, 25 de março de 2013

«Paulo Bento mais uma vez a dar o corpo às balas»

Ao longo da minha vida como dirigente desportivo sempre respeitei a máxima: 'jogador é para jogar, treinador para treinar e dirigente para dirigir'.

Talvez por isso não evitei alguns engulhos, não no 'Farense' mas durante os 4 anos em que fui responsável directo pelas selecções nacionais, mormente com os 'seleccionadores' e com o presidente da 'FPF. Por isso, não subscrevendo a tirada do seleccionador nacional, entendo que Paulo Bento tenha sentido necessidade de arrotar umas postas de pescada sobre as postas de pescada antes arrotadas por Pinto da Costa, uma vez que Humberto Coelho e Fernando Gomes entenderam nada arrotar 'malgré' a indigesta gestão da lesão do João Moutinho.

Parece que estou a ouvir estes dois dirigentes federativos, no remanso do bar do hotel em Baku, dizerem em uníssono: 'arrotem!...pelintras'.
António Boronha na sua página do facebook
título meu

Almancilense: o clube no qual Jesus deixou de jogar e que desconhece a sua existência

Jorge Jesus está longe de ser uma figura consensual no futebol português mas é um facto que comanda o Benfica na liderança do campeonato com mais quatro pontos do que o rival FC Porto. O treinador dos encarnados é um dos responsáveis pelo bom momento que as águias atravessam e pode estar a uma curta distância de conquistar o segundo campeonato da sua carreira.

Uma carreira construída a pulso e que começou de uma forma inesperada, tal como o próprio Jorge Jesus contou aos alunos da Faculdade de Motricidade Humana, na última semana.

«Nunca contei isto a ninguém, é a primeira vez que vou contar como me fiz treinador. Estava na terceira divisão e no meu último ano de carreira enquanto jogador.
Jogava no Almancilense, que é uma equipa do Algarve que não sei se existe, e jogámos contra o Amora. Quando acabou o jogo, o presidente do Amora, que estava no banco, chamou-me e convidou-me: 'oh Jorge Jesus, tu queres ser treinador do Amora?'. Eu disse: 'treinador? Mas eu sou jogador, ainda agora estive a jogar, não sou treinador'. Ele disse: 'tu estavas a jogar mas percebi que tu é que eras o treinador dentro do campo'. E é assim que começo a minha carreira de treinador. Isto é no domingo, na segunda-feira penso e digo-lhe: 'aceito o seu desafio'. Conclusão, o Amora é que foi subir e o Almancilense não subiu nesse ano», contou, recordando o primeiro sucesso enquanto técnico principal.

 
A passagem de Jorge Jesus pelo Almancilense foi curta, nem uma época durou. Talvez por isso o treinador tenha revelado o seu desconhecimento acerca do clube no qual terminou a carreira de jogador, mas a verdade é que o emblema fundado em 1935 está vivo, disputa a primeira divisão da Associação de Futebol do Algarve e o atual treinador do Benfica ainda não foi esquecido.

«Aqui o Jorge Jesus é bem visto», diz José Fernandes dos Barros, presidente do emblema algarvio e que em 1989/1990 (época em que Jesus deixa de ser jogador no Almancilense para se tornar treinador no Amora) era diretor e acompanhava a equipa de futebol para todo o lado, em entrevista ao
zerozero.pt. «Não chegou a estar cá uma época mas ele sempre foi como é agora. É aquela pessoa que quer sempre mais e, para mim, o Benfica não será o fim dele. Como benfiquista que sou, penso que está no maior clube do mundo, mas ele tem mais sonhos e nasceu para o futebol», continuou, revelando que era previsível que ele viesse a apostar na carreira de treinador após deixar os relvados. As trocas de palavras entre ele e Mário Wilson, filho do Velho Capitão, que na época orientava o Almancilense, isso mostravam.

«O Jorge Jesus sempre teve uma tendência de chefe de equipa e havia uns contras e uns porquês sobre algumas decisões do treinador. Acho que ele e o Mário Wilson estavam a sempre em disputa para ver quem percebia mais de futebol. Muitas vezes eles não se entendiam. O Jorge Jesus tinha as suas ideias, que eram boas e que o fizeram estar onde está», conta o agora presidente dos algarvios.

«O Jesus sempre quis ir para a frente com o futebol e conseguiu. Está num bom sítio e hoje é um senhor de bola. Teve coragem, sorte que também é preciso, foi subindo na carreira e eu dou valor a uma pessoa como ele. É difícil encontrar alguém assim, cheio de vontade e com muito valor. A nível futebolístico é uma pessoa espetacular», acrescenta.


A ida repentina de Jorge Jesus para o Amora


Antes de chegar ao Benfica, Jesus esteve à frente de dez outras equipas e nunca foi adjunto ©Carlos Alberto Costa
 
Em 1989/1990, altura em que Jorge Jesus terminou a carreira de jogador no Almancilense no decorrer da época para logo se tornar treinador do Amora, foi a primeira temporada de sucesso do atual técnico do Benfica. No entanto, em Almancil continua bem referenciado, apesar de ter sido um dos responsáveis pelo facto do clube algarvio não ter subido à segunda divisão nacional.

«O Jorge Jesus precisava de uma equipa com mais poder porque nessa altura o Almancilense foi buscar jogadores bons mas financeiramente não os conseguia manter por muito tempo», conta.

No entanto, José Fernandes dos Barros faz questão de informar o treinador do Benfica que o Almancilense está vivo, apesar de jogar nos distritais.

«Quero dizer ao Jorge Jesus que tem em mim um apoiante e um admirador do seu trabalho, mas também que agora já pode saber que o Almancilense ainda existe», diz.

«Na altura em que ele era jogador havia aqui muito dinheiro para gastar mas a partir da temporada seguinte acabou. Não quis deixar o clube acabar mas estivemos praticamente cinco anos com dívidas e com tudo penhorado. Conseguimos recuperar e continuámos a andar. Hoje estamos cá. Não há dívidas porque também não há gastos. Não há ordenados dos jogadores, há um almocinho de vez em quando e joga-se com amor à camisola», revela.


O percurso do Almancilense desde a saída de Jorge Jesus

Jorge Jesus começou a sua última época enquanto jogador com o objetivo de tentar a subida de divisão com o Almancilense, mas quis o destino que a tivesse terminado com esse objetivo garantido mas enquanto treinador do Amora, levando a melhor na corrida contra a ex-equipa.


Já em jogador, Jesus mostrava que queria continuar no futebol como treinador ©Catarina Morais
Desde a temporada de 1989/1990, o emblema algarvio não voltou a estar perto de subir à segunda divisão nacional e até desceu aos distritais, onde atualmente se encontra. Contudo, é com o orgulho de presidir um clube estável e sem dívidas que José Fernandes do Barros fala sobre o trajeto do Almancilense ao longo da década de 90 e na primeira década do século XXI.

«Após a época de 1990, ficámos mais dois anos na terceira divisão. Entretanto fomos um bocado abaixo porque havia menos verbas do que na altura do Jorge Jesus e voltámos ao distrital. Em 1997/1998 fomos campeões do Algarve e subimos à terceira outra vez. Aí estivemos dez anos consecutivos e em 2008 descemos. Agora estamos a manter-nos na primeira divisão distrital, a lutar o melhor possível para ficarmos nos seis primeiros lugares. Com algumas dificuldades estamos cá. Sou presidente há 22 anos e sei onde estão os bons jogadores, mas sou uma pessoa honesta, não prometo o que não posso pagar e não os vou buscar, por isso vamos nos mantendo por aqui», afirma, destacando os momentos altos do clube.

«Tivemos alguns pontos altos, como o facto de termos estado dez temporadas consecutivas na terceira divisão sem grandes ordenados e sem termos a melhor equipa porque os melhores jogadores não podemos pagar. O nosso título de campeões do Algarve, quando ficámos em primeiro lugar com mais 20 pontos do que o Quarteirense, segundo classificado, também foi um espetáculo. Recebemos vários prémios, como o de melhor equipa e de melhor treinador».

No entanto, a receção à Académica, em 2004, para a Taça de Portugal, foi inesquecível para o presidente do Almancilense. Os estudantes venceram por 3x0 mas nem isso tira o entusiasmo das suas palavras na hora de recordar o momento.

«Jogámos com equipas com história no futebol português, como o Atlético e o Oriental. Mas o jogo mais marcante foi quando recebemos a Académica para a Taça de Portugal. Jogámos em Loulé e conseguimos meter milhares de pessoas no estádio», lembra.



daqui
Portugal Jorge Jesus
Jorge Fernando Pinheiro de Jesus
Portugal Portugal
1954-07-24 (58 anos)
Médio

o perfil de Bruno de Carvalho

Depois de saborear, por algumas horas, a ilusão de vitória na eleição de 2011, Bruno de Carvalho tentou de novo.
Na madrugada deste domingo, à segunda, foi de vez. Anunciados os resultados provisórios, à espera dos dados definitivos depois de contados todos os votos por correspondência, é o 42ª presidente do Sporting.

Bruno de Carvalho, de 41 anos, tem 27 de filiação, é o sócio 15.531 do clube de Alvalade.

Licenciado em Gestão e mestre em Gestão do Desporto de Organizações Desportivas, tem ainda os cursos de treinador da AF Lisboa (nível I) e da UEFA (nível II), credenciais anunciadas aquando da sua primeira candidatura.
Para estas eleições, dois anos depois daquele ato eleitoral em que acabou por perder para Godinho Lopes, partiu na frente, no tempo e na projeção. Pairou desde 2011 como rosto da oposição.
Por isso, não teve de esforçar-se para passar uma imagem de renovador, ajudada pela idade.

Empresário, com passado militante nas claques, o sobrinho-neto do ex-primeiro ministro Pinheiro de Azevedo herdou o estilo truculento, mas apareceu, nesta candidatura, com uma pose mais institucional, capitalizando com o mau desempenho do seu adversário de 2011.

A apresentação formal da lista trouxe de volta o candidato agressivo, com a promessa de responsabilizar criminalmente a direção anterior, se esta não assumisse os pagamentos em atraso.
Nas linhas gerais do programa, destacam-se a intenção de criar a Sporting TV e a promessa de manter a maioria do capital da SAD no clube.
Ao contrário do que sucedeu há dois anos, não anunciou investidores russos ou bandeiras eleitorais.

domingo, 24 de março de 2013

golo de Fokobo é um hino ao futebol

Bruno Carvalho é o próximo presidente do Sporting

"É uma honra e um orgulho sentir esta responsabilidade", disse Bruno de Carvalho depois de saber que é o novo presidente do Sporting.
através do jornal record

sexta-feira, 22 de março de 2013

Futre e as suas estórias de menino e craque

Força Portugal!

uma passagem rápida por algumas redes sociais e blogosfera,...e a palavra que mais se usa para o empate a três da nossa selecção em Israel é - desgraça!

desgraça?,...desgraça é os que passam fome e estão no desemprego.

Portugal empatou com Israel, não fez um jogo por aí além...e depois?

não é a primeira vez que fazemos fases de qualificação fraquitas. afinal, desde 2006 que só vamos a europeus e mundiais através dos play-off.

eu continuo acreditando nesta selecção e que vamos estar no Brasil no próximo ano.

«onze/sistema oficial de Portugal para hoje»

quinta-feira, 21 de março de 2013

«bastidores e reportagens de um Benfica - Sporting»

meu Deus?!, parece que foi outro dia..., lembro-me tão bem desta reportagem do primeiro vídeo, e do jogo também, no segundo e terceiro vídeo. de qualquer maneira, aqui fica a ficha do derby.

Portugal testa relvado no derradeiro exame a Moutinho

João Moutinho (foto ASF)
 
A Seleção Nacional cumpre hoje, a partir das 16 horas (menos duas em Portugal), o primeiro e único treino no relvado do estádio Ramar Gan, em Telavive, que recebe o Israel-Portugal de amanhã, decisivo para as contas do grupo F de qualificação para o Mundial-2014.

Expectativa para aquilatar das condições de João Moutinho a pouco menos de 24 horas do jogo. O médio do FC Porto continua a recuperar de lesão muscular e é a única dúvida no onze de Paulo Bento contra Israel. Moutinho, em Portugal, fez apenas um treino, de forma condicionada, em Óbidos.

Depois do treino de hoje, Paulo Bento falará aos jornalistas, numa conferência de imprensa marcada para as 17.20 horas locais.

quarta-feira, 20 de março de 2013

José Mourinho & Rui Faria

Liedson veio para quê?

afinal o que se passa com Liedson?

ainda não consegui perceber a demora em apostar no brasileiro de uma vez por todas, em especial, quando o jogo pede mais do que um homem junto dos centrais adversários...

domingo passado, não teria sido importante para o FCP a presença do levezinho?

debate com candidatos do Sporting (vídeo)

aqui fica o debate realizado ontem na SIC Notícias:

«os novos equipamentos de Real Madrid e Barcelona»

conheça os novos equipamentos de Real Madrid e Barcelona para a próxima época, entre aqui.

terça-feira, 19 de março de 2013

«Melhor treinador português? Rui Faria»

José Mourinho concedeu uma grande entrevista à RTP, transmitida esta terça-feira à noite, onde surpreendeu ao responder com o nome de Rui Faria quando questionado sobre quem era o melhor treinador português a seguir ao próprio Mourinho.

«Primeiro, acho que nem sequer tenho de assumir que eu sou o melhor. Mas se me perguntar quem é, eu digo-lhe que é o Rui Faria; e nem foi treinador ainda. Com isso estou a faltar ao respeito, sem querer, a pessoas com um trajeto de chapéu. Por exemplo o Fernando Santos é um grande treinador; treinou os três grandes de Portugal e está a fazer o que se sabe na seleção da Grécia», referiu Mourinho.

«Mas há jovens treinadores portugueses que estão a demonstrar qualidade. O Villas-Boas, que teve acesso a patamares que outros não tiveram, e em Portugal há bons treinadores como o Jorge Jesus o Peseiro ou o Jesualdo Ferreira», acrescentou o treinador do Real Madrid, que recusou qualquer "clonagem" de André Villas-Boas: «Não vejo nenhuma semelhança, não vejo...»



©Carlos Alberto Costa
Ainda na temática dos treinadores portugueses, Mourinho preferiu não ser tão contundente como Jorge Jesus, que considerou os técnicos lusos como «os melhores do mundo»: «Os portugueses são bons, penso que sim, mas não quero generalizar porque haverá os bons, os menos bons e os maus. Mas é um facto que o treinador português está agora a entrar em força em mercados que antigamente não se abriam», disse, assumindo que ele próprio é um dos responsáveis por isso.


«Eu sei que há um fator Mourinho nisso, e é normal que haja. Não devo ser eu a dizê-lo, mas não me ponho fora disso. Mas há outros mercados não europeus com as portas abertas porque outros treinadores portugueses tiveram sucesso», atirou sobre o tema, antes de desvalorizar o título de "Melhor do Mundo": «A questão do melhor do mundo é relativa. Podes ser o melhor num determinado momento, mas os momentos não fazem carreiras; essas são feitas em momentos acumulados. Aquilo que se deve procurar é construir uma carreira que no final se possa dizer que foi verdadeiramente de sucesso. É essa a minha preocupação e o meu orgulho, porque a carreira já vai longa», respondeu.

Nessa linha, José Mourinho sabe que será recordado como um técnico de sucesso, apesar de assumir que «não tem essa preocupação.» «A história tem momentos, tem datas, tem acontecimentos que nada nem ninguém pode apagar. Estive num clube onde o treinador que chegou depois de mim quis tirar as fotografias dos meus sucessos. As fotos saíram, mas quando ele foi embora voltaram.»

E sobre o futuro? Aprender russo, por exemplo, não está nos planos do Special One: «Não, não creio. O meu inglês é suficiente, o italiano é bom, o espanhol é bom, o francês é suficiente. Acho que esses serão os países onde posso trabalhar, não me vejo a trabalhar num país onde não possa comunicar. Mas nunca se sabe...», atirou.
daqui

«Bruno Carvalho quer o Lobo»

segunda-feira, 18 de março de 2013

oficial: é leão até 2018

Zezinho e o Sporting chegaram a acordo para a renovação de contrato do jovem jogador até 2018, informaram os leões esta segunda-feira. A cláusula de rescisão do camisola 90 é, agora, de 30 milhões de euros.

Zezinho tem subido a pulso no seio do plantel leonino e é atualmente uma das apostas mais sérias de Jesualdo Ferreira no que diz respeito a jogadores saídos da equipa B verde e branca. Com 20 anos, o luso-guineense conta esta temporada cinco jogos pela formação principal do Sporting (duas titularidades) e 19 partidas pelo Sporting B.




©Carlos Alberto Costa
Ao site dos leões, Zezinho mostrou-se «muito feliz por ter renovado o contrato», salientando que o Sporting é o clube do seu coração e é em Alvalade que pretende continuar para «ajudar o clube a atingir todos os objetivos a que se propõe».


O Sporting informou também que «acionou as cláusulas de opção» com os jogadores João Mário (cláusula de 30 milhões), Ricardo Esgaio (cláusula de 20 milhões) e Luís Ribeiro (cláusula de 20 milhões), mantendo-os no clube pelo menos até 2015, no caso do médio e do avançado, e 2014, no caso do guarda-redes.
daqui

Paulo Pereira Cristovão: uma entrevista reveladora



Paulo Pereira Cristóvão esteve na RTP i no sábado à noite. O antigo vice-presidente do Sporting que, entre coisas, está indiciado de burla qualificada falou pouco do processo e muito dos processos. Hélder Conduto não estava claramente na sua praia e por duas vezes viu PPC dizer-lhe que nem as nossas mulheres conseguimos controlar.

PPC está numa de disparar em todas as direções e de ajustar contas com antigos colegas da PJ. É um homem ressabiado. A entrevista, que nunca foi ao cerne do processo, acabou por confirmar uma personalidade sui generis que agora parece estar à espera olimpicamente que sejam os outros a fazer prova do que se sabe.

Ao contrário do que PPC pretendeu afirmar, não é o segredo de justiça que está aqui em casa, nem os homens de avental e muitos menos os jogadores que "não correm".

O que aqui está em causa é a obtenção de dados pessoais por portas travessas (assunto que escapou ao entrevistador) e de vigilâncias que vão muito para além do suportável.

Mas vai-se a ver e, afinal, PPC parece que nada teve a ver com isso pois "durante 15 meses não tive tempo para a minha empresa". Mais um bocadinho e tudo isto foi uma armadilha da PJ, da maçonaria e do Correio da Manhã para apanhar o justiceiro PPC.

No fim de tudo, a entrevista acabou por ser muito reveladora. Muito mesmo.
daqui

domingo, 17 de março de 2013

Aí está ele...


























se eu gosto de Jorge Jesus? nem por isso, também há muita gente que não gosta de mim e é para o lado que eu durmo melhor.
mas, não me custa admitir que é um bom treinador e que muito provavelmente vai deixar saudades aos benfiquistas.
basta ver, o que era o Benfica antes deste senhor chegar (quantos segundos lugares?) e o que é hoje (valorização de jogadores com milhões de euros nos cofres encarnados).
ao Benfica, este ano, só uma tragédia o impedirá de ser campeão.

e, como Pinto da Costa não anda a dormir, na próxima época muito provavelmente será o treinador dos dragões.
se assim for, não acredito que de hoje a um ano JJ seja conhecido por alguns portistas como o "gajo das chiclas"!

o campeonato está entregue

pois é meus amigos, arrisco já a dizer com todas as letras que o campeonato 2012/2013 está entregue:

...ao Benfica!!!

Golooooooooooooo Nuno Gomes


não costumo usar este espaço para expor a minha vida pessoal, mas hoje, os meus amigos que não são adeptos do Benfica certamente me vão perdoar.
aqui fica (para ver se dá sorte) uma foto do meu mais que tudo tirada em 2008 e ele a gritar:
Golooooooooooo Nuno Gomes!...tinha ele quatro anos!!!

ah!, agora, é portista (já tem quase nove anos) e já não há volta a dar..., afinal, em minha casa a democracia prevalece!

sábado, 16 de março de 2013

Uma semana antes das eleições e naquele que foi o último jogo do Sporting com Godinho Lopes na presidência, os leões regressaram aos triunfos frente ao Vitória de Setúbal, vencendo por 2x1.

A equipa orientada por Jesualdo Ferreira não vencia em Alvalade há quase dois meses, mas conseguiu voltar a conquistar os três pontos (algo que não acontecia desde que tinha derrotado o Gil Vicente em Barcelos) frente a um Vitória de Setúbal que esteve longe de ser um adversário fácil e que tentou aproveitar as fragilidades mais do que evidentes na defesa leonina.

Os primeiros 20 minutos de grande nível, período no qual o Sporting marcou por intermédio de Amoreirinha, na própria baliza, e Labyad, através da marcação de uma grande penalidade, valeram os três pontos aos leões, que tiveram sempre que lidar com o cenário do resultado em aberto por causa de um Vitória de Setúbal que conseguiu reduzir por intermédio de Makukula, ainda no primeiro tempo. Depois dos golos, a formação de Jesualdo Ferreira enviou três bolas ao poste e a de José Mota fez o o mesmo por uma ocasião.


20 minutos a um nível que Alvalade já não está habituado

Há muito tempo que o Sporting não tinha 20 minutos tão bem jogados como na primeira parte do encontro com o Vitória de Setúbal. Nesse período de tempo, a equipa orientada por Jesualdo Ferreira já vencia por dois golos de diferença e o resultado era inteiramente justo.

Dier sofreu o penálti que resultou no golo de Labyad ©Carlos Alberto Costa
Os golos apontados por Amoreirinha, na própria baliza, e por Labyad, através da marcação de uma grande penalidade, aos 16 e 20 minutos, respetivamente, justificavam-se pela dinâmica e pelo jogo ofensivo dos leões que deixaram a defesa sadina em apuros.

Contudo, a equipa de Alvalade pareceu relaxar à sombra do resultado que conseguiu cedo no encontro e o Vitória de Setúbal aproveitou para subir mais no terreno e rondar a área adversária. Pedro Santos começou por avisar Rui Patrício, através de um remate de fora da área, e depois foi Jorginho, sem marcação, a cabecear ao lado. À terceira, todavia, foi de vez e Makukula, na estreia como titular nos sadinos, voltou a aproveitar uma falha de marcação da defesa do Sporting para reduzir a diferença no marcador.

Os comandados de José Mota justificavam o golo pela forma como reagiram à desvantagem, mas também é verdade que entre o tento de Makukula, apontado ao minuto 34, e o intervalo foi o Sporting que esteve perto de marcar. Labyad, através de uma excelente jogada individual em que tirou vários adversários do caminho, viu Kieszek, com a ajuda do poste, a negar-lhe o golo e depois foi Diego Capel, completamente à vontade na área, a ter pontaria a mais e a cabecear ao poste da baliza do guarda-redes do Vitória de Setúbal.


Resultado sem mexidas apesar das bolas ao poste

O Sporting foi mais ofensivo que o Vitória de Setúbal na segunda parte, mas o resultado manteve-se em aberto até ao final do encontro, pois os leões não conseguiram ampliar a vantagem e os sadinos nunca desistiram de chegar ao empate e criaram oportunidades para tal.


Wolfswinkel teve duas boas situações para marcar na segunda parte ©Carlos Alberto Costa
As primeiras situações de perigo na etapa complementar foram da autoria de Ricky van Wolfswinkel, com o avançado holandês, aos 54 minutos, a rematar em arco e a centímetros da baliza adversária e, aos 57 minutos, a cabecear ao poste.

Os leões não aproveitaram as oportunidades do holandês e podiam ter ficado com um amargo de boca, pois a defesa esteve mal nas marcações ao longo de quase todo o jogo e numa dessas situações, ao minuto 59, permitiu que Jorginho, de calcanhar, rematasse ao poste da baliza de Rui Patrício sem qualquer oposição.

Desde aí, o melhor que o Sporting conseguiu foi um remate de Capel, já com o ângulo apertado, para defesa de Kieszek, e foram os sadinos que criaram as melhores ocasiões para marcar, ficando mais perto de empatar a partida do que em sofrer o terceiro golo.

Cristiano, ao minuto 73, apareceu nas costas da defesa leonina e rematou ao lado, enquanto Jorge Luiz, na sequência da marcação de um canto, cabeceou com todo o à vontade na pequena área, valendo aos leões o facto de a bola ter passado por cima da baliza para conseguirem somar a segunda vitória em Alvalade desde que Jesualdo Ferreira assumiu o comando técnico.

daqui